Previsto para o fim do ano passado e suspenso por decisão monocrática de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), o edital de licitação do Maracanã – para os próximos 20 anos – deve ter poucas mudanças para a concorrência que interessa a Flamengo e Fluminense, unidos, e ao Vasco, que se associou a duas empresas na disputa.

A concessão de permissão de uso à dupla Fla-Flu vai até o fim de abril deste ano – ou seja, faltam dois meses para o término . O Estado concede permissão de uso aos dois clubes desde o final de 2019, com seis renovações no período. Ainda não há prazo para sair o novo edital.

O processo licitatório foi suspenso depois que o conselheiro Marcio Pacheco, do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, apontou série de irregularidades no texto do edital público.

Entre os pontos questionados, houve alguns ajustes, conforme documentos aos quais o ge obteve acesso. O TCE questionava o “elevado peso atribuído para a proposta técnica” em detrimento da proposta financeira .

O sistema de pontuação prevê, por exemplo, 70 partidas por ano no Maracanã, principalmente pela possibilidade de de mais de um clube se tornar associado à gestão e atribui pontos a este requisito. Se antes eram 50 pontos, agora vale 35 pontos, num total de 125 pontos atribuídos à proposta técnica.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Casa Civil, se reuniu com o TCE – houve encontro no último dia 8 de fevereiro, antes do Carnaval – e manteve o peso de 60% contra 40% da proposta técnica. Em caso de empate entre pontuação final das propostas, aquela que tiver maior pontos na proposta técnica leva a disputa.