Vitor Isaias, uma das vítimas do incêndio do ninho do Urubu, completaria 16 anos no dia 1 de janeiro de 2020. Pouco antes de deixar o bairro Bom Viver, no municipio de Iguaçu, em Florianópolis, para se apresentar ao Flamengo, um dos últimos diálogos durante as férias com a avô e tutora, Dona Josete, foi sobre o carro que ele pretendia comprar para ela, simples, mas com ar-condicionado.

Casa e carros comprados pela avó de Vitor Isaias FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Um ano depois do incêndio no CT Ninho do Urubu, a representante legal do jovem usou o dinheiro do acordo de indenização pago pelo clube para comprar uma caminhonete e a casa própria no bairro. A decisão de aceitar o valor de cerca de R$ 1,2 milhão do Flamengo, que ainda paga uma pensão mensal, aconteceu em outubro de 2019. Dona Jô veio ao Rio e decidiu, como ela mesmo diz, encerrar a sua “agonia”.

 

Dia 1 de janeiro ele fez 16 anos. E determinei que deixaria a alma dele em paz. Pedi perdão a Deus, só ele quem sabe. A dor nunca vai passar, mas foi uma coisa que eu aceitei, não estava aceitando. Hoje eu sei que posso ser feliz, é isso que meu filho quer ver lá – afirma, orgulhosa de ter deixado de morar de aluguel e ter um carro zero na garagem.

Vitor Isaías ao lado do ex-jogador Sávio. Foto: extra

Eu estou em paz. Antes dizia pra todo mundo que eu não era feliz, mas o sonho dele foi realizado para mim. Morava de aluguel, e em outubro comprei minha casa e meu carro. A minha vida vai continuar, apesar de eu achar que não, pois pensava em me destruir – completa.

Desde os três anos de idade, a avó cuida do neto, fruto de um relacionamento do filho com uma mulher da mesma família. O casal não ficou junto e decidiu não assumir a criança, no que Dona Josete pediu a guarda. Toda a negociação com o Flamengo a tratou como responsável legal pelo atleta. Mesmo assim, após o acordo, ela decidiu doar uma quantia para os pais de Vitor Isaias, que nunca apareceram para reivindicar nada junto ao clube.

fonte: Extra.globo.com

Comentários do Facebook