Foto: Divulgação

Em uma onda de solidariedade, Gabigol se manifesta sobre o crime bárbaro cometido contra Moïse Mugenyi Kabagambe, no dia 24. Concentrado com a Seleção Brasileira para o jogo desta terça-feira (1), o atacante cobrou por justiça ao jovem congolês. Segundo a mensagem do 9 do Flamengo, o jogador disse não reconhecer o Rio de Janeiro que aprendeu a amar:

“Esse não é o Rio que aprendi a amar e que me recebeu de braços abertos!!! Queremos justiça, não podemos normalizar crimes como esse!! Que seja feita justiça a Moïse Mugenyi e toda sua família!! Estamos juntos de vocês!” – afirmou Gabigol

Morto na noite do dia 24 de janeiro, próximo a um quiosque na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, o congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, chegou a ter pés e mãos amarrados com um fio depois de sofrer uma sequência de agressões.

Moïse, que torcia para o Flamengo no Brasil, prestava serviço pontualmente no local servindo mesas na areia e, segundo parentes, pretendia tentar cobrar pagamentos atrasados na segunda-feira em que acabou assassinado.

Flamengo lamenta a morte de Moïse

Do mesmo modo que Gabigol se manifesta pedindo justiça, o Flamengo lamentou a morte de Moïse, flamenguista, como dito anteriormente.

Nascido no Congo, na África, Moïse trabalhava por diárias em um quiosque próximo ao posto 8, no Rio de Janeiro. De acordo com a família, o responsável pelo quiosque e pelos pagamentos, estava devendo há dois dias para Kabamgabe. Dessa forma, ao cobrar o salário, o imigrante teria sido espancado até a morte.

Assim, a Polícia Militar afirmou ter chegado no local depois do Samu e acionou a Divisão de Homicídios. No entanto, a Polícia Civil informou que continua ouvindo testemunhas e segue analisando filmagens. Também negou a remoção dos órgãos pelo IML.